sexta-feira, 18 de março de 2016

A vida é fodida.

Vi os melhores do meu tempo, antes dele e depois dele, soçobrarem perante as iniquidades, as responsabilidades mesquinhas, as impossibilidades de vencer.
As putas, as bichas, os Opus Dei e a maçonaria, mais os 'jotas' e os de nome comprido ou herdado da copofonia abrileira e neo-realista, tomaram conta da regra e da contra-regra. No resto, funcionou sempre a tusa da classe média trapaceira, alcandorada a gente pela cavaqueira casta dos subsídios.
Cada um por si. Quem ficou para trás que pague a conta. É isto o estado marado do País que temos.
Eu queixo-me, claro que me queixo. De cada vez que vejo um paneleiro ou um normalóide na televisão, fico a pensar porque razão não estou lá eu ou a dúzia de pessoas que, neste País, tem alguma coisa para dizer de relevante.
Felizmente, continua a não ser possível aos instalados fechar a redes sociais, os blogues. Pode ser que se fodam.

MC

3 comentários:

prolar disse...

E assim sucessivamente.

João José Horta Nobre disse...

Não é com golpes de estado, ataques à bomba ou revoluções armadas que se vai derrotar a superclasse mundialista. Esta, a ser derrotada em conjunto com as elites por si controladas, só o poderá ser por via de um esforço contínuo no campo da ciberguerra (com vista a obter e divulgar publicamente informação classificada que seja comprometedora para as elites) em conjunto com a guerra de informação e contra-informação:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/03/trump-corre-o-risco-de-ter-um-fim.html

prolar disse...

Não "ou" mas "e" aproveitando os seus esforços que levam à sua própria auto-destruição.

https://en.wikipedia.org/wiki/Overton_window

E nos últimos 4 anos então tem sido prego a fundo na aceleração, a forçar o pêndulo ao longo do espectro o mais possível num sentido (eu acho que é mais húbris que outra coisa), logo, a reacção quando este fizer o movimento contrário terá efeitos que serão ainda mais evidentes.